DMAD

Retiro Doutoral de 2019

AD ASTRA PER ASPERA

Uma vez mais o retiro doutoral do DMAD adota o mote “através da adversidade a caminho das estrelas”, como símbolo de perseverança, num projeto que tendo sido pioneiro em Portugal, não hesita em se reinventar e adaptar, no sentido de ir cada vez mais ao encontro das aspirações dos seus estudantes.

O Retiro Doutoral é um momento alto do primeiro ano do Doutoramento em Média-Arte Digital, em que estudantes, professores, convidados e público em geral partilham um espaço comum de fruição de ideias, análise de resultados e lançamento de desafios futuros.

Ao escolher Óbidos pela segunda vez, para muitos docentes isto representa uma espécie de “regresso a casa”, mas a verdade é que iremos estar também numa nova casa, e nova em todos os sentidos. A Casa José Saramago, que nos acolhe, é ela também um projeto de renovação e reinvenção numa vila que não hesita em abraçar as suas várias dimensões – histórica, cultural, literária, gastronómica – como ainda aposta na abertura ao digital e às formas de expressão artística dos novos media.

Mas se repetimos o mote, existe algo que torna o programa deste retiro verdadeiramente único, que é a sua multidimensionalidade. Para isso contribuem os vários convidados, cada um deles materializando uma nova e enriquecedora dimensão.

Tony Brooks e Eva Brooks irão trazer exemplos de projetos em que a criatividade digital está ligada às dimensões de investigação, empreendedorismo e inovação.

Depois de uma exposição individual recente no Museu Nacional de Arte Contemporânea, Miguel Soares irá trazer a sua experiência de artista 3D, pioneiro em Portugal, e partilhar as várias dimensões do seu percurso pessoal e criativo.

Sandra Boto traz consigo a dimensão das Humanidades Digitais e da investigação criativa sobre a riqueza da língua e da expressão escrita.

E todos nós e vós iremos criar diariamente as restantes dimensões que nos levarão daqui até às estrelas.

Pedro Alves da Veiga